Polícia atira com arma letal, atropela e deixa um cego nos atos de 7 de Setembro

Além de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, outras onze capitais tiveram manifestações, todas com registros de abusos e violência policial

José Francisco Neto, da Reportagem – Brasil de Fato.

No Brasil, o dia 7 de setembro de 2013 ficará marcado por episódios de extrema violência policial contra manifestantes. Em São Paulo (SP), um PM fez diversos disparos com arma letal contra um grupo de pessoas na região do centro, atingindo um fotógrafo no queixo. No Rio de Janeiro (RJ), centenas de pessoas foram detidas por estarem ‘mascaradas’. Já em Brasília (DF), um capitão do Batalhão de Choque diz ter jogado intencionalmente spray de pimenta em manifestantes.

O estudante Vitor Araújo, que fazia a transmissão ao vivo do protesto em São Paulo pelo Basta TV, foi atingido no olho direito por estilhaços de bombas lançadas pela PM. Encaminhado ao Hospital das Clínicas, ele passará por cirurgia, mas ficará cego.

O estudante Vitor Araújo passará por cirurgia, mas ficará cego. Ele fazia a cobertura do ato quando foi atingido no olho olho direito por estilhaços de uma bomba lançada pela polícia. Foto: Mídia Ninja

O Grupo de Apoio ao Protesto Popular (Gapp) socorreu no mínimo mais oito manifestantes feridos durante o ato no centro da cidade. Josiane Martins foi uma das pessoas agredidas por policiais. “Não tive nem tempo de reagir. Acordei do lado de uma barraca de jornal sendo ajudada por alguns manifestantes e médicos. Lembro de pouca coisa do que aconteceu. Fiquei um certo tempo imobilizada no chão em estado de choque, fui levada pro pronto socorro do HC, onde fiquei em observação. Foi feita uma bateria de exames, fui medicada com morfina para controlar a dor que eu estava sentindo.”, relatou.

Ainda no centro de SP, pelo menos quatro pessoas foram atropeladas, duas na região da Sé. Uma das vítimas foi atingida, propositalmente, por uma viatura da Polícia Militar.

Rio de Janeiro

No Rio, a polícia não hesitou em jogar dezenas de bombas de gás lacrimogêneo e de efeito moral contra manifestantes que protestavam pacificamente. Também atingiram centenas de familiares dos militares que desfilavam, entre os quais havia mulheres, idosos e crianças. Na correria, muitas pessoas ficaram feridas. Um idoso foi atropelado por uma viatura da PM.

Enquanto filmava a prisão de um manifestante, o jornalista do jornal A Nova Democracia, Patrick Granja, foi preso acusado de agredir um PM.

‘Pode denunciar’

Um capitão do Batalhão de Choque da Polícia Militar do Distrito Federal atingiu intencionalmente manifestantes com spray de pimenta durante o protesto do Grito dos Excluídos. No vídeo, feito por ativistas, vê-se que os manifestantes atingidos não estavam agindo violentamente, nem tentando passar pelo limite imposto pela polícia.

O manifestante que faz as imagens pergunta, então, por que o capitão havia jogado o gás. “Porque eu quis. Pode ir lá e denunciar, tá bom? Capitão Bruno, BP Choque”, respondeu o policial.

A Secretaria de Segurança Pública do DF disse que o caso só será investigado se uma queixa formal for feita à Corregedoria da PM. Se houver denúncias, informou a secretaria, os casos serão investigados e os policiais podem ser punidos com advertências leves ou até prisão militar.

Ainda em Brasília, manifestantes foram atacados por cachorros da Polícia, que tentava impedir a marcha até o Congresso. Bombas de gás lacrimogênio e sprays de pimenta também marcaram o evento.

Os casos de abusos cometidos por policiais devem ser investigados pelas corregedorias e pelas secretarias de segurança pública de respectivas capitais. Os protestos do dia 7 de setembro se alastraram por mais onze capitais, todas com registros de abusos e violência policial. Mais de 400 pessoas foram presas, mas não se sabe ao certo quantas ainda continuam detidas.

Vídeos

Senhor é atropelado covardemente por viatura da PM em protesto no Rio (07/09/2013)

Capitão do Choque admite agressão por decisão arbitrária – 7 de Setembro, 2013 / Brasília

Mais sobre o assunto:

Movimentos protestam durante desfile da Independência em Porto Alegre

Em SP, Grito dos Excluídos reúne 8 mil e pede fim da violência na periferia

Vozes de movimentos sociais e Grito dos Excluídos prevalecem no Rio de Janeiro