Ambulantes das cidades-sede da Copa se encontrarão em Belo Horizonte para defenderem direitos diante da arbitragem da Fifa

O III Encontro Nacional dos e das Ambulantes discutirá estratégias sobre o antes, o durante e o depois da Copa. O evento acontecerá nos dias 1, 2 e 3 de maio, junto com o I Encontro dos Atingidos

Nos próximos dias 1, 2 e 3 de maio acontece, em Belo Horizonte (MG), o III Encontro Nacional dos e das Ambulantes. Realizado pela Comissão Nacional de Ambulantes, esta terceira edição tem como foco a situação atual dos vendedores que, por conta da Lei Geral da Copa, ditada pela FIFA e acatada pelos governos, estão proibidos de comercializar produtos nas proximidades dos estádios durante o mundial que se realizará em junho em doze cidades brasileiras. O Encontro também fará uma avaliação e traçará estratégias para antes, durante e depois do megaevento esportivo.

Os(as) vendedores(as) ambulantes no Brasil, particularmente os das cidades-sede da Copa, vêm enfrentando cada vez mais repressão por parte das prefeituras municipais que evidenciam um projeto de “limpar” a paisagem urbana de qualquer indício de pobreza. Nos últimos anos, vem sendo estabelecida uma política sistemática de cassação de licenças e de não emissão de novas licenças de comércio de rua. Em alguns casos, vendedores(as) ambulantes foram removidos(as) de seus locais de venda como consequência da renovação de estádios, projetos de revitalização de áreas de interesse da cidade e outras obras de infraestrutura urbana.

A Lei Geral da Copa estabelece zonas de exclusão de 2 quilômetros no entorno das áreas da FIFA, estádios e áreas oficiais de torcedores com telões, onde apenas os patrocinadores oficiais poderão comercializar. As prefeituras já abriram licitação para grandes empresas ocuparem espaços de rua originalmente utilizados por ambulantes para garantir a sua subsistência.

Diante deste panorama que representa um claro retrocesso e uma violação para os (as) trabalhadores (as) informais se torna urgente a organização e a visibilidade das reivindicações dos ambulantes. Assim, o objetivo é fomentar a articulação nacional de ambulantes das cidades sede da Copa de forma participativa, democrática e solidária, para que possam demandar e incidir nos espaços públicos decisórios, em nível municipal e federal, o direito ao trabalho ambulante nas cidades-sedes, e documentar violações a esse direito antes e durante a Copa do Mundo.

A reunião de trabalhadores ambulantes tem apoio do Fundo Brasil de Direitos Humanos (FBDH) e Jubileu Sul Brasil.

Encontro dos Atingidos

O grupo que participará do III Encontro Nacional dos e das Ambulantes também estará presente no I Encontro dos Atingidos – Quem perde com os megaeventos e megaempreendimentos, que reunirá também entre os dias 1 e 3 de maio, em Belo Horizonte, representantes de vários segmentos de movimentos sociais que estão sendo diretamente ou indiretamente atingidos pela Copa do Mundo. Este encontro é realizado pela Articulação Nacional dos Comitês Populares da Copa (Ancop).

O Encontro será encerrado com uma grande marcha em defesa da cidadania, pelo fim da violência policial, contra Projetos de Lei que criminalizam movimentos sociais e manifestações populares, pelos direitos humanos e direto à cidade, denunciando o estado de exclusão que já se manifesta no país por conta da Copa e demais megaempreendimentos e eventos.

Facebook Ancop: Articulação Nacional dos Comitês Populares da Copa

Facebook Ambulantes: Aliança Nacional de Ambulantes

Para informações sobre o III Encontro Nacional dos e das Ambulantes:

Juliano Fripp – (51) 9148.3299 | (51) 8130.8788

Maíra Vannuchi (11) 9 9118.6558

Rogéria Araújo – (85) 9813.4966 | (85) 8683.8141

Por Rogéria Araújo, assessora de comunicação do III Encontro Nacional dos e das Ambulantes.