Famílias haitianas da ocupação Progresso, em Porto Alegre, não serão despejadas

As 50 famílias haitianas que estavam ameaçadas de despejo na ocupação Progresso, na zona Norte da cidade de Porto Alegre, continuarão em suas casas. Na semana passada, o clima era de tensão, por conta de uma possível ordem de despejo que poderia atingir a quase 350 famílias, incluindo também as da ocupação Império. No último domingo (12), porém, depois de intensa mobilização e articulação um despacho garantiu a permanências dos moradores nos locais.

No último dia 16 de março, uma ação organizada – fruto de vários debates e processos de mobilização – conseguiu derrubar o veto do prefeito José Fortunati (PDT) que ia de forma contrária ao Projeto de Lei que transformava 14 ocupações em Áreas Especial de Interesse Social (AEIS), entre elas as duas citadas. O PL, de autoria da vereadora Fernanda Melchiona (PSOL), teve sua base respeitada e foi fundamental para garantir o direito à moradia das famílias.

A rede Jubileu Sul Brasil reconhece e aplaude essa vitória do povo haitiano e dos movimentos sociais envolvidos nesta luta. Na mesma semana em que houve a ameaça de despejo, a rede mobilizou uma petição on line, onde denunciou as condições em que vivem milhares de haitianos e haitianas no Brasil e pediu mais assistência por parte do Estado para acolher de forma digna e responsável aos que chegam do Haiti.

A rede mantém uma campanha de solidariedade e pela retirada das tropas militares do Haiti. Para saber mais: http://www.jubileusul.org.br/temas/haiti

Famílias haitianas da ocupação Progresso, em Porto Alegre, não serão despejadas

As 50 famílias haitianas que estavam ameaçadas de despejo na ocupação Progresso, na zona Norte da cidade de Porto Alegre, continuarão em suas casas. Na semana passada, o clima era de tensão, por conta de uma possível ordem de despejo que poderia atingir a quase 350 famílias, incluindo também as da ocupação Império. No último domingo (12), porém, depois de intensa mobilização e articulação um despacho garantiu a permanências dos moradores nos locais.

No último dia 16 de março, uma ação organizada – fruto de vários debates e processos de mobilização – conseguiu derrubar o veto do prefeito José Fortunati (PDT) que ia de forma contrária ao Projeto de Lei que transformava 14 ocupações em Áreas Especial de Interesse Social (AEIS), entre elas as duas citadas. O PL, de autoria da vereadora Fernanda Melchiona (PSOL), teve sua base respeitada e foi fundamental para garantir o direito à moradia das famílias.

A rede Jubileu Sul Brasil reconhece e aplaude essa vitória do povo haitiano e dos movimentos sociais envolvidos nesta luta. Na mesma semana em que houve a ameaça de despejo, a rede mobilizou uma petição on line, onde denunciou as condições em que vivem milhares de haitianos e haitianas no Brasil e pediu mais assistência por parte do Estado para acolher de forma digna e responsável aos que chegam do Haiti.

A rede mantém uma campanha de solidariedade e pela retirada das tropas militares do Haiti. Para saber mais: http://www.jubileusul.org.br/temas/haiti

Por Rogéria Araujo, Comunicação Rede Jubileu Sul Brasil.