Grito dos/as Excluídos/as define lema para 2020

Organizadores se reuniram no dia 28/02, para discutir cenário político atual e definir tema principal em 2020.

“Basta de miséria, preconceito e repressão! Queremos trabalho, terra, teto e participação!”. Esse é o lema  do Grito dos/as Excluídos/as este ano. A escolha é uma resposta ao cenário de desmonte de direitos e ao aumento da repressão do Estado contra as populações mais pobres. Mais de 200 atos marcaram as manifestações do Grito no ano passado, que ocorreram entre 5 e 7 de setembro.

Membro da Rede Jubileu Sul Brasil – que reúne diversas organizações na luta contra a exploração financeira praticada por meio da dívida pública, o Grito dos/as Excluídos/as Brasil nasceu em 1995 e, desde então, articula uma das principais mobilizações da semana da Independência do Brasil. A data é simbólica na luta pela soberania popular e conscientização da população sobre os processos de exclusão.

Ari Alberti, membro da coordenação do Grito, explica que a escolha do tema anual dialoga com a conjuntura política, social e econômica do país, com a luta dos movimentos sociais, com a simbologia da data e com a Campanha da Fraternidade – realizada anualmente pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) no período da Quaresma.

“Este ano, percebemos a forte presença de dois elementos na conjuntura do país: o ódio e a violência. Esses dois aspectos estão refletidos em políticas do governo atual, como a liberação do porte de armas, o aumento da velocidade nas rodovias e a retirada da obrigatoriedade da cadeira para o transporte de crianças nos veículos. Sem contar a violência que representam as reformas que retiram direitos da população mais pobre”, observa.

Mais que um ato, um movimento

Ainda que o sete de setembro seja a data que concentra as principais manifestações, os organizadores fazem questão de enfatizar que o Grito não acontece em apenas um dia, mas é um processo de reflexão que dura o ano todo.

Com isso, o movimento ganha as mais variadas formas em todo país, desde desfiles, eventos culturais, romarias e procissões até atos públicos prévios ao 7 de setembro, além de cursos, seminários e palestras. Uma agenda ampla e diversa, cujo objetivo é dar aos/às excluídos/as do país um lugar de protagonismo na construção plural e igualitária de uma sociedade mais justa.

Ari ressalta o trabalho realizado desde o início do ano para construir um processo coletivo e participativo com o objetivo de disseminar a importância da participação. 

“Temos que deixar de ser plateia e fazer parte da tomada de decisões a respeito do nosso país. A primeira parte do lema deste ano expressa nosso basta à miséria, à repressão e ao preconceito contra as populações negras, lgbt, mulheres e todos os demais grupos oprimidos da sociedade. A segunda parte convoca a população para uma ação coletiva por direitos. E queremos dialogar e estar junto com os movimentos locais para fazer esse debate. Mais do que nunca precisamos estar articulados.”

A seguir

Rede Jubileu Sul Américas publica editais voltados ao fortalecimento da sociedade civil na defesa de direitos

Rede Jubileu Sul Américas publica editais voltados ao fortalecimento da sociedade civil na defesa de direitos