Último dia de seminário discute ações para campanha de solidariedade ao Haiti

Uma reverência à beatificação do monsenhor Óscar Romero marcou hoje (23) o início do Seminário Nacional sobre o Haiti: Construindo Solidariedade, que termina hoje em São Paulo. As palavras de Martha Flores, da secretaria regional do Jubileu Sul/Américas, falaram sobre solidariedade, a unidade da luta latino-americana por dignidade e justiça para os mais pobres.

Em seguida, Cláudia Favaro, da Resistência Urbana e integrante do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e o haitiano Alix Georges, morador da ocupação Progresso, em Porto Alegre formaram a mesa. Alix falou sobre a urgência de se retirar as tropas do Haiti. Contou sua história. “Eu me arrependo de ter lutado contra o presidente [Jean-Bertrand Aristide, então presidente do Haiti]. Eu estava lutando por um Haiti melhor e não para que meu país tivesse uma ocupação militar. Hoje eu tenho mais clareza do momento e das consequências disso”, falou.

Alix falou sobre sua experiência durante o Golpe de Estado no Haiti e ocupação militar. Também descreveu sua experiência no Brasil. A ocupação onde mora em Porto Alegre, recentemente, foi ameaçada de despejo.

Em seguida, Cláudia e Alessandra Miranda, da Cáritas Brasileira, coordenaram os trabalhos e dividiram os grupos que discutiram e apresentaram as propostas de ações para a campanha de solidariedade ao Haiti.

Ensino do português, acesso à educação, questão migratórias, políticas de trabalho, documentações, materiais de divulgação (cartilhas, vídeos, folders) que possam circular tanto no Brasil e, sobretudo, no Haiti, sobre as condições em que vivem os haitianos no país brasileiro, apresentações culturais, ações concretas para datas significativas, foram algumas das propostas apresentadas pelos grupos.

Rogéria Araujo, Rede Jubileu Sul Brasil

A seguir

Moradores da Maré e Alemão e haitianos falam sobre militarização e criminalização

Moradores da Maré e Alemão e haitianos falam sobre militarização e criminalização