Fórum das Pastorais Sociais traça ações para o mundo urbano

Por Comunicação da Rede Jubileu Sul

Aumento da miséria, da pobreza e de todas as formas de exclusão. Este é o cenário que o país atravessa e as Pastorais Sociais estão de olho nessa realidade e buscam saídas, alternativas à essas realidades que impactam diretamente e de forma mais vil os mais pobres da sociedade brasileira.

Para enfrentar esse desafio, os participantes do Fórum das Pastorais Sociais se reuniram em Brasília de 30 de julho a 2 de agosto para encontrar formas criativas para transformar, a partir de dentro, este mundo que gera pobreza e sofrimento. “Esse é um dos grandes desafios das nossas diretrizes para as comunidades eclesiais missionárias”, disse dom Joel Portella, secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e bispo auxiliar da Arquidiocese do Rio de Janeiro.

Diversas entidades foram convidadas ao encontro. A Rede Jubileu Sul Brasil foi representada por sua articuladora nacional, a economista Sandra Quintella, para quem a raiz dos problemas sociais e econômicos do país está na opção do EStado brasileiro em continuar pagando a Dívida Pública. “Os investimentos em Saúde e e Educação foram congelados, mas a Dívida não foi congelada”.

Há 20 anos, as Redes Jubileu Sul Brasil e Américas questionam a legitimidade das dívidas contraídas pelos governos dos países latinoamericanos.

Temas debatidos

Democracia e realidade urbana – Ermínia Maricato, arquiteta, urbanista e professora aposentada da Universidade de São Paulo (USP) aprofundou com os participantes o tema da democracia, as cidades e a mobilidade urbana. “Democracia se faz, principalmente, onde as pessoas moram e frequentam, se faz a partir dos bairros, das escolas, das igrejas”, disse. Na avaliação da professora, isto foi abandonado pelas forças democráticas do Brasil.

“É fundamental retomar e reconstruir a democracia brasileira passando pelas cidades grandes, médias e pequenas, em todas as regiões do país, respeitando a incrível diversidade que nós temos no país – ambiental, econômica, regional e cultural”, disse.

Os desafios apresentados pela professora provocaram o grupo a avançar para uma articulação das Pastorais que atuam no mundo urbano. Segundo o representante da Pastoral Operária Jardel Neves Lopes, de Curitiba (PR), um grupo foi criado com o objetivo de traçar ações conjuntas específicas para as pastorais sociais que atuam exclusivamente no mundo urbano, um dos temas centrais das novas diretrizes da Igreja no Brasil.

O grupo de 50 pessoas que atuam com diferentes realidades sociais, composto por representantes das Pastorais Sociais, organismos e regionais da CNBB, refletiu sobre o momento sociopolítico e eclesial no Brasil. Compartilhou as experiências das articulações locais e  nos regionais da CNBB. Também avaliou o Plano Quadrienal 2016 a 2019 e aprofundou as novas Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (2019-2023), tendo em vista a elaboração de um novo plano de trabalho da Comissão para o próximo quadriênio.

O encontro foi organizado pela Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Sociotransformadora da CNBB cujo presidente é dom José Valdeci dos Santos, bispo de Brejo (MA). O novo presidente e os novos bispos eleitos para acompanhar o trabalho da Comissão foram acolhidos pelos participantes.

Rosilda Ribeiro Rodrigues Salomão, coordenação nacional da Pastoral Carcerária para a questão da mulher presa, Três Lagoas (MS)

“Este encontro tem sido muito produtivo, pois o contato direto com as diretrizes e o estudo em conjunto nos aponta que Jesus, conforme caminhava com o povo, ia apresentando e revelava o projeto do Reino de Deus de amor e de esperança. Devemos, mesmo na dor, seguir servindo na alegria do Evangelho, porque somos simples instrumentos que o Senhor vai regando e as sementes vão crescendo no tempo de Deus e no momento certo”.

Gilberto Lima, coordenação regional da Pastoral da Juventude do Maranhão, representante das Pastorais Sociais do Regional Nordeste 5

“Estar aqui nestes dias de formação, diálogo e escuta sobre as Pastorais Sociais e as lutas pelo povo em busca de esperança, nos ajuda a ver o sentido da vida e que a gente deve continuar trabalhando juntos e esquecer a divisões. Como a gente vê que as Pastorais Sociais, os padres e bispos aqui presentes estão dando este valor à juventude, lembrando que ela é importante nesta caminhada, a gente vê que o trabalho pastoral que a gente faz é fruto de tudo isto. Esses dias, as discussões e questionamentos aqui estão sendo bem proféticos para todas as pastorais e organismos presentes”.

Com colaboração de Jardel Neves Lopes

Confira mensagem final do Fórum:

A seguir

Comunicadores buscam estratégias para fazer ecoar o Grito dos Excluídos

Comunicadores buscam estratégias para fazer ecoar o Grito dos Excluídos