Começa ação colaborativa para reforma da sede da União Social dos Imigrantes Haitianos (USIH)

A rede Jubileu Sul Brasil participa e convida a todos/as a fazer parte da Ação Colaborativa para a reforma do prédio que servirá de sede para a União Social dos Imigrantes Haitianos (USIH). A União é uma organização que tem por objetivo oferecer serviços sociais em âmbito nacional (Brasil) e internacional (Haiti), criado por imigrantes haitianos que residem em São Paulo.

A campanha colaborativa começou hoje. Toda doação é bem-vinda e pode ser feita através do link: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/reforma-da-sede-da-usih . Um evento criado nas redes sociais também oferece mais informações: https://www.facebook.com/events/955938394455602/ (Ação Colaborativa – Reforma e Início dos Trabalhos da USIH). A sede está situada na Vila dos Estudantes, 34, no bairro do Glicério.

26 é Dia de Mutirão!

No próximo dia 26 de março, está agendado um Dia de Mutirão, das 9h30 às 13h. Numa ação coletiva, o dia será dedicado à limpeza, pintura, pequenas reformas, além de fazer da sede da USIH um ponto de entrega para doações como material de escritório, de construção, móveis usados ou novos para o escritório (estantes, mesas, cadeiras,…), etc. O momento também será cultural. A ideia é juntar no mesmo espaço a culinária haitiana, com os pratos típicos do Haiti, e o rico artesanato produzido pelo pessoal que integra a USIH, além de conhecer e tomar contato com a historio do povo haitiano

Por que é importante ajudar?

No início do ano de 2010, o Haiti foi devastado por um grande e forte terremoto que destruiu uma boa parte do país, o número de mortos chegou a mais de 250 mil, e um saldo de 1,5 milhões de desabrigados. O desemprego atingiu quase 80% da população. Após o terremoto milhares de haitianos começam a cruzar as fronteiras para recomeçar suas vidas em outros países, inclusive o Brasil.

Até o final de 2014 já se tinha uma estimativa de que mais de 47 mil imigrantes já havia chegado ao território brasileiro desde 2010. Na bagagem suas memórias de um dia que mudou a história da nação caribenha e suas próprias vidas.

Para chegar até o Brasil passam por inúmeras dificuldades e por outros países como o Panamá, Equador e Peru, chegando ao Acre, Mato Grosso do Sul, Pará, Amazonas e Mato Grosso. São meses viajando e enfrentando os chamados “coiotes”, os quais prometem atravessar os imigrantes de forma segura. Os relatos afirmam o contrário, que muitos deles são agredidos, roubados e humilhados por esses atravessadores.

Os haitianos que chegam pelas fronteiras sem documentação, sem dinheiro, sem nenhuma orientação acabam ainda sendo vítimas de uma dura realidade que encontram no país, precariedade no atendimento aos imigrantes, racismo, xenofobia, discriminação e todo tipo de preconceito, além da precariedade no trabalho e instalações insalubres em muitos casos.

Para além do terremoto que favoreceu a migração, o país caribenho lida com a intervenção militar da Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (MINUSTAH) que, de acordo com vários relatórios e denúncias, em nada tem gerado estabilidade e paz ao Haiti. Ao contrário, tem gerado ainda mais insegurança e violações de direitos, além de ter provocado a morte de milhares de haitianos com a epidemia de cólera levada pelas tropas da Missão.

Diante de todo esse contexto vivido tanto no Haiti como aqui no Brasil, pelas condições em que se encontram, haitianos e haitianas organizados criaram, em 11 de setembro de 2014, uma associação que se chama “União social dos imigrantes Haitianos (USIH).

Essa organização tem como objetivo favorecer para que os haitianos tenham melhores condições de vida, colaborar na prestação de serviço para minimizar os problemas enfrentados pelos haitianos nos mais diferentes serviços, oferecer formação profissionalizante, assim como cursos de idioma (português e outros), e propomos uma integração fundamentada na promoção de uma vida digna para todos os imigrantes haitianos em colaboração com a sociedade, movimentos e organizações sociais e governo brasileiro.

Depois de muitos anos, a USIH conseguiu uma sede, mas para instalar-se e iniciar as atividades, a casa necessita de uma reforma, para ajudar nessa reforma pedimos a solidariedade de todos e todas através da ação colaborativa – https://www.vakinha.com.br/vaquinha/reforma-da-sede-da-usih

A rede Jubileu Sul Brasil convida a todos a se somarem na campanha permanente de solidareidade acompanhando as noticias em nosso site (http://www.jubileusul.org.br/temas/haiti) e assistindo e divulgando o documentário (http://www.jubileusul.org.br/nota/3504).

A seguir

Movimentos sociais enviam carta a especialista independente da ONU sobre direitos humanos no Haiti

Movimentos sociais enviam carta a especialista independente da ONU sobre direitos humanos no Haiti